Copyright © 2005
Memorial Getúlio Vargas
Praça Luís de Camões
(ao lado do Hotel Glória), RJ
Ouvidoria do Município
Ouvidoria do Município
Créditos de produção
 

1884
Inauguração da
E.F. do Corcovado
1902/1906
Reforma Pereira Passos
1913
Inauguração do teleférico
do Pão de Açúcar
1926
Inauguração do
Palácio Tiradentes
Getúlio Vargas passou 31 anos dos 45 de sua vida pública no Rio de Janeiro, então capital da república. Como presidente, foram 19 anos. Nesse longo período, estabeleceu-se intensa relação de amor e rejeição entre ele e os habitantes da cidade, amor sobretudo do povo, rejeição sobretudo da elite. Esta exposição mostra alguns aspectos marcantes dessa história, homenageando, ao mesmo tempo, Getúlio Vargas e o Rio de Janeiro.

 
De São Borja ao Rio de Janeiro

Getúlio Vargas veio de São Borja, na longínqua fronteira do Rio Grande do Sul com a Argentina. O pai, estancieiro, militava no Partido Republicano Rio-Grandense, liderado por Júlio de Castilhos. Foi dentro da tradição do positivismo centralizador e autoritário de Castilhos que Getúlio Vargas fez seu aprendizado político. Aos 27 anos, já era membro da Assembléia dos Representantes de seu estado.

Em 1923, chegou pela primeira vez ao Rio de Janeiro como deputado federal. A cidade contava 1.158.000 habitantes, acabara de passar por importantes alterações urbanísticas e vivera momentos agitados. A principal reforma urbana fora a derrubada do Morro do Castelo para a construção dos pavilhões da exposição do centenário da Independência.

As grandes festas do centenário se deram em 1922, e foram precedidas, no mesmo ano, pela revolta do Forte de Copacabana, primeira manifestação de jovens militares e prelúdio de outras que ajudariam a derrubar a Primeira República em 1930. A Câmara dos Deputados funcionava provisoriamente na Biblioteca Nacional, de onde passou, em 1926, para sua nova sede, o Palácio Tiradentes. Em 1926, em rápida ascensão política, Getúlio Vargas foi nomeado ministro da Fazenda de Washington Luís.

A eleição para presidente do Rio Grande do Sul levou-o de volta a seu estado, onde se dedicou a pacificar a vida política, conciliando os republicanos do Partido Republicano Rio-Grandense com os federalistas.


 

Rua onde nasceu Getúlio, em São Borja (RS)
Crédito: CPDOC/FGV - CDA/Vargas doação Geraldo Costas

Aos 12 anos em São Borja (RS), 1894
Crédito: CPDOC/FGV - Álbuns Família Vargas (A2)

Com Darcy Sarmanho Vargas, poucos meses após seu casamento. Porto Alegre (RS), 1910
Crédito: CPDOC/FGV - Álbuns Família Vargas (A2/Virgílio Calegari)

Reunião da família, na residência do irmão Viriato, por ocasião das bodas de ouro dos pais de Getúlio. San Tomé (Argentina), 1918
Crédito: CPDOC/FGV - Álbuns Família Vargas (A2)
Com o pai, Manuel do Nascimento Vargas, na fazenda de Santos Reis. São Borja (RS), 1934
Crédito: CPDOC/FGV - Álbuns Família Vargas (A13)

Com o ex-escravo Amaro do Nascimento. São Borja (RS), 1934
Crédito: CPDOC/FGV - Álbuns Família Vargas (A13)

Com a filha Alzira e outros, na fazenda de Santos Reis. São Borja (RS), 1934
Crédito: CPDOC/FGV - Álbuns Família Vargas (A13)

Desmonte do Morro do Castelo. Rio, 1922
Crédito: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro - R 2457/39 P.570

Revoltosos do Forte de Copacabana marcham pela Av. Atlântica, de encontro às tropas legalistas. Rio, 1922
Crédito: CPDOC/FGV - Arquivo PEB

Pavilhões da Exposição do Centenário da Independência. Rio, 1922
Crédito: Biblioteca Nacional - Revista da Semana (set./1922)

Convidados chegam para a inauguração do Palácio Tiradentes. Rio, 1926
Crédito: Museu da Imagem e do Som (Augusto Malta)