Copyright © 2005
Memorial Getúlio Vargas
Praça Luís de Camões
(ao lado do Hotel Glória), RJ
Ouvidoria do Município
Ouvidoria do Município
Créditos de produção
 

Vargas e o apogeu da caricatura
A Primeira República conheceu o nascimento da verdadeira caricatura brasileira. Conheceu também o seu apogeu.

A imagem que a caricatura guardou de Getúlio Vargas, além da figura do homem baixinho, gordinho, simpático, fumando o seu charuto, foi a do político ladino, esperto, sempre a fazer uma coisa para dar a impressão de outra. Durante seu primeiro governo, houve muitas prisões e violências indescritíveis. No entanto, essa imagem negativa não foi a que ficou na caricatura.

Talvez por que ela estivesse mais ligada ao período em que houve censura prévia à imprensa (entre 1935 e 1945) ou talvez porque à imagem do Getúlio ditador se sobrepunha a do político malandro que driblava os adversários com tiradas de bom-humor, como na seleção a seguir, de capas da revista Careta, entre 1927 e 1946.

Isabel Lustosa
Especialista em História da imprensa brasileira, pesquisadora da Fundação Casa de Rui Barbosa e Doutora em Ciências Políticas pelo IUPERJ. Autora, entre outros, de INSULTOS IMPRESSOS - A guerra dos jornalistas na Independência, 1821-1823 (SP, Companhia das Letras, 2001), Nassara: o perfeito fazedor de arte (RJ, Relume Dumará/RioArte, 1999).

 

Os Presentes Passados ao Futuro
Campeão De Mar E Terra
Dutra, Góis e Getúlio
Bondinho Enguiçado
O Ventríloco
Reconciliação!
Engarrafamento
Ventoinha
O Fracasso
Carnaval Político
Vésperas de Waterloo
Insensibilidade
1882
Nasce Getúlio Dornelles Vargas, em São Borja (RS), no dia 19 de abril.
1899
Decidido a seguir carreira militar, alista-se no Sexto Batalhão de Infantaria, sediado em São Borja.
1900
Matricula-se na Escola Preparatória e de Tática de Rio Pardo (RS), de onde se desliga, dois anos mais tarde, em solidariedade a colegas expulsos em decorrência de um incidente disciplinar.
1903
Em conseqüência da disputa entre Brasil e Bolívia pelo Território do Acre, apresenta-se como voluntário e parte para Corumbá. Com a assinatura do Tratado de Petrópolis, que põe fim ao litígio, retorna ao Rio Grande do Sul.
1904
Matricula-se na Faculdade de Direito de Porto Alegre. Nessa ocasião, altera o ano de seu nascimento para 1883.
1907
Junto com colegas de faculdade, funda o Bloco Acadêmico Castilhista em apoio à candidatura republicana de Carlos Barbosa Gonçalves ao governo do Rio Grande do Sul e lança o jornal O Debate, do qual se torna secretário de redação. No mesmo ano, diploma-se e é nomeado para o cargo de segundo promotor público no tribunal de Porto Alegre.
1909
Elege-se deputado estadual pelo Partido Republicano Rio-Grandense (PRR).
1911
Casa-se com Darcy Lima Sarmanho, com quem teria cinco filhos: Lutero, Jandira, Alzira, Manuel Antônio e Getúlio.
1913
Reeleito deputado estadual, renuncia ao mandato após desentendimentos com o líder do PRR, Borges de Medeiros.
1917
Retorna à vida pública com sua eleição pelo PRR à Assembléia gaúcha, sendo reeleito em 1921.
1923
Em meio às revoltas tenentistas da década de 20, assume a cadeira de deputado pelo PRR na Câmara Federal, no Rio de Janeiro.
1924
Reeleito deputado federal, assume a liderança da bancada republicana gaúcha na Câmara.
1926
Assume o Ministério da Fazenda, aceitando o convite do presidente da República, Washington Luís.
1927
Candidata-se à presidência do Rio Grande do Sul pelo PRR.
1928
Toma posse na presidência do Rio Grande do Sul.
1929
Candidata-se à presidência da República, apoiado pela Aliança Liberal, tendo João Pessoa como seu companheiro de chapa.
1930
Em protesto contra a eleição de Júlio Prestes à presidência da República e, em seguida, ao assassinato de João Pessoa, é deflagrada a Revolução de 1930 que, com o apoio do movimento tenentista, depôe o presidente Washington Luís e transmite o poder a Getúlio Vargas, que assume o Governo Provisório.
1934
Elege-se presidente da República nas eleições convocadas pela Assembléia Constituinte de 1933.
1937
Instaura o regime do Estado Novo, fechando o Congresso e outorgando uma nova constituição que confere ao Executivo o controle dos poderes Legislativo e Judiciário.
1942
Após o torpedeamento de navios brasileiros por submarinos alemães, o governo decreta o estado de guerra contra a Alemanha e a Itália.
1934
Elege-se presidente da República nas eleições convocadas pela Assembléia Constituinte de 1933.
1945
Deposto do governo por um movimento militar liderado por generais que compunham seu próprio ministério, Getúlio Vargas se "exila" voluntariamente em São Borja.
1946
Eleito senador pelo Partido Social Democrático (PSD), ocupa sua cadeira na Assembléia Nacional Constituinte.
1950
Candidata-se à presidência da República pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), elegendo-se com 3.849.000 votos.
1951
Toma posse na presidência da República. Durante sua gestão cria a Petrobrás, em 1953.
1954
Atentado na Rua Tonelero (Copacabana) contra o jornalista Carlos Lacerda, um dos mais veementes opositores de Getúlio Vargas, em que é morto o major-aviador Rubem Florentino Vaz, acirra de modo definitivo a crise em que se encontra o governo.
1954
Após reunião ministerial em que é pressionado a renunciar, Getúlio Vargas se suicida com um tiro no coração, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, no dia 24 de agosto.